Tags

, , , ,

Quando planeamos uma mudança de país surgem milhares dúvidas mas para quem é pai ou mãe há uma questão que se impõe perante todas as outras e implica uma série de outras questões: E as crianças? Como elas vão reagir? Será que se vão adaptar? Conseguirão aprender outra lingua? etc.

De tudo o que li e das experiências pessoais que fui ouvindo um facto parece unânime, independentemente das dificuldades uma mudança de país, de cultura e a aprendizagem de uma nova lingua é quase sempre sentida como positiva, como um acontecimento importante que acrescentou valor nas suas vidas e que lhes deu novas ferramentas.

As crianças reagem à mudança de país de forma diferente consoante a idade, a personalidade e obviamente que têm uma relação directa com a forma como nós pais reagimos.

Quanto mais nova for a criança mais fácil se torna a adaptação. Até aos 3/4 anos de idade mudar de país pode ter pouco impacto na criança uma vez que o seu mundo social se limita aos seus pais, irmãos e família mais próxima. Há no entanto mudanças para as quais devemos estar consciente para melhor responder. Por exemplo há sempre a alteração do espaço fisico, mudança de algumas rotinas, introdução de uma nova lingua e alteração e/ou diminuição das interacções familiares e sociais.
Entre os 4 e 9 anos haverá alguns desafios pois a criança tem uma maior consciência do mundo que a rodeia e é nesta idade que começa a estabelecer as primeiras amizades fora da esfera familiar. Como é a idade dos porquês muitas questões podem surgir e é importante saber responder dando o máximo de segurança possivel. É necessário ter cuidado ao partilhar as nossas angustias ou sentimentos negativos pois nesta idade as crianças absorvem tudo. Se sentirem que nós pais estamos em pânico ou que estamos tristes também elas ficarão em pânico e/ou tristes. Com isto não quero dizer que devemos só falar das coisas boas mas devemos tentar falar dos desafios e de como pensamos ultrapassá-los, por exemplo dizer que irão sentir saudades mas que poderão sempre falar com a familia por telefone ou skype.

É apartir dos 9 anos que a mudança para um outro pais (ou mesmo de cidade) se torna mais complicada. A criança começa a estabelecer fortes laços de amizades que se vão tornando cada vez mais importantes nas suas vidas. É o movimento de independência, é começo da procura da identidade fora do seio familiar. Assim uma mudança pode ser sentida com grande angustia e medo. Claro está que depende muito da personalidade da criança, se é extrovertida ou não, se tem facilidade em fazer novas amizades, a sua curiosidade pelo novo, como reage aos desafios. Para minimizar o impacto é importante envolvê-los no processo de mudança o mais cedo possível e ser o mais honesto e aberto possível.

A adolescência é considerada a idade mais dificil para a mudança de país, podendo existir por parte do adolescente oposição à decisão. Os amigos e a sua rede social tornam-se o centro da sua vida, pelo que a ideia de deixá-los é sentido quase como uma perda de si próprio. É também a idade onde aprovação social é muito importante e por isso o receio de não ser aceite na nova cidade, na nova escola, nos novos grupos é grande. Ser dificil não implica necessariamente que é impossivel, pois os adolescentes tem uma enorme capacidade de compreensão e poderão facilmente, dependendo do que motiva a mudança, entender as razões e estar aberto a essa mudança. Poderão encarar como um grande desafio e até um privilégio ir viver para outro pais. Uma vez mais depende da sua personalidade e da forma como nós pais introduzimos esta decisão.

Deixo algumas dicas, tiradas de vários sites e da experiência própria, para ajudar as crianças e vocês pais aquando da mudança para um novo país.

Antes da partida

  • Partilhar com a criança o mais cedo possível a decisão e envolvê-la no processo de mudança, tendo sempre em conta a sua idade. Dar espaço para que possa exprimir o que sente mas nunca deixar a decisão nas suas mãos. É natural que a criança mude de opinião de dia para dia. Um dia pode dizer que está muito contente por ir noutro dizer que não quer ir. Aceitar estas mudanças e tentar lidar de uma forma calma com as alterações de comportamento e humor.
  • Partilhar o máximo sobre o novo país e/ou cidade, por exemplo factos interessantes, locais a visitar, costumes e tradições. No caso de Londres há imensas coisas interessantes, museus, jardins, parques temáticos para visitar. Podemos explorar com elas a história de Inglaterra e do Reino Unido, os reis e rainhas, etc.
  • Procurar saber mais sobre o sistema de ensino, o tipo de escolas e se possível tentar explorar as escolas da área onde irão residir e partilhar isto com a criança. Por exemplo visitar os websites das escolas, quais as disciplinas, as actividades extra-curriculares, etc.
  • Expôr a criança à nova lingua, através de filmes, livros e musicas. No caso do inglês, começar a ver os filmes em inglês e sem legendas. Por exemplo para as crianças mais pequenas podemos  pesquisar quais os desenhos animados do país para que a criança se vá familiarizando com os mesmos.
  • Fazer uma lista de contactos dos amigos (emails, telefones, skype) e deixar com estes a nova morada e telefone.
  • Convidar a criança a escolher o que quer levar e se não for possível levar alguma das coisas que escolheu explicar as razões. Se recorrer a um empresa de transportes, levar junto com vocês os objectos mais afectivos, por exemplo o brinquedo favorito ou peluche de estimação.
  • Com crianças pequenas é importante saber se no país ou cidade para onde vão existem os productos alimentares, higiénicos e medicamentos de uso regular. Por exemplo aqui em Londres só se encontra papa Cérelac em lojas portuguesas, a maior parte dos supermercados não vendem.

aeroporto

Aquando da chegada

  • Organizar o espaço da criança com ela, tentando, sempre que possível, dispôr os meus objectos e brinquedos que tinham em casa. No caso dos adolescentes deixar estes decorarem o seu novo espaço.
  • Tentar manter as mesmas rotinas especialmente com as crianças mais novas. Não quer dizer que algumas destas rotinas não se venham a alterar com o tempo mas nos primeiros tempos elas são importantes pois transmitem segurança, estabilidade e continuidade.
  • Embora seja uma altura muita atarefada, é importante reservar tempo para explorar a zona de residência, por exemplo ir com elas ao supermercado, ao café, ir ao parque infantil.
  • Assim que puder ir conhecer a escola que irão frequentar e no caso das crianças mais velhas fazer com elas o caminho entre casa e escola várias vezes até que estejam à vontade para o fazerem sozinhas.
  • Logo que possível estabelecer contactos com a familia e amigos que ficaram. Penso que alguns pais por vezes cometem o erro de evitar o contacto com a ideia de que estarão a evitar o sofrimento. É importante que a criança sinta que apesar da distancia não perdeu os amigos nem a familia e que estes continuam a gostar dela e que também sentem saudades. No caso dos adolescentes é importante que tenham uma forma de comunicar com os seus amigos de uma forma mais privada, quer através do seu computador ou telemóvel.

Após o período de mudança

  • Incentivar as novas amizades, convidar os novos amigos para ir lá casa ou organizar actividades em conjunto. Com crianças mais novas tentar frequentar os parques-infantis, são um local de excelência para fazer novas amizades. Para crianças mais velha podemos sempre inscrevê-los em actividades extra-curriculares.
  • Se possível fazer uma viagem de regresso e nessa viagem organizar os encontros com a familia amigos.
  • Incentivar as visitas da familia e amigos que ficaram.
  • Evitar o isolamento ou manter contacto exclusivo com pessoas do nosso país de origem. É importante para a integração estabelecer contactos com pessoas locais pois são estas que nos irão transmitir de uma forma mais verdadeira os costumes e a cultura deste nosso novo país.

E mais importante que tudo é estar preparado e consciente que uma mudança de país acarreta medos, angustias, excitação e que a estes sentimentos serão expressos através dos comportamentos. Estar preparado para aceitar os momentos de tristeza e de revolta e manter sempre o diálogo aberto por forma a que a criança/adolescente saiba que os seus sentimentos são valorizados e respeitados.

É igualmente importante a forma como nós pais reagimos à mudança e seja qual for o motivo para a tomada de decisão deveremos encará-la com entusiasmo e de forma positiva. Mais do que nunca, num novo pais, somos a sua rede de suporte, uma rede que eles precisam de sentir que está bem segura e que não os irá deixar cair.

airplane